Breaking News

Projeto dissemina cultura afro-brasileira nas escolas públicas

17.7.2017 – 14:02  

 

A cultura afro-brasileira vai ganhar ainda mais espaço no sistema educacional brasileiro. A Fundação Cultural Palmares, instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC), em parceria com o Ministério da Educação (MEC), municípios e estados, começa a levar para as escolas públicas do país um debate sobre as principais questões relacionadas à história e cultura negras, por meio do projeto Conhecendo nossa História: da África ao Brasil.

 

Por meio do projeto, que tem o objetivo de levar conhecimento aos estudantes sobre a contribuição do continente africano na construção da identidade e desenvolvimento nacional, estão sendo distribuídos 40 mil kits educativos para alunos e professores em 16 cidades do Brasil. O material inclui o livro O que Você Sabe sobre a África?, que narra a trajetória do povo afro-brasileiro, e uma revista de palavras cruzadas Passatempo com a mesma temática.

Nesta terça-feira (18) e quarta-feira (19), multiplicadores do projeto participam em Brasília, das 8h às 17h, na sede da Fundação Palmares (Setor Comercial Sul, Quadra 02, Ed. Toufic, 4º andar, sala multimeios), de uma capacitação para aplicarem os conteúdos do kit. Em geral, esses multiplicadores são servidores do quadro das secretarias de Educação municipais, principalmente professores, com experiência curricular com a cultura e a história afro-brasileiras. Cabe a eles disseminar o Conhecendo nossa História: da África ao Brasil para professores e gestores da rede pública.

“Desejamos que esses profissionais entendam a proposta do projeto, que vai além do kit. Queremos que eles façam uma leitura crítica desse material didático e que estimulem seus alunos a refletirem e a dialogarem sobre questões que nos atingem. Nossa intenção é estimular uma rede de debates por todo o país que nos ajude a pensar em políticas públicas destinadas à população afro-brasileira, reduzindo desigualdades históricas”, destaca o presidente da Fundação Palmares, Erivaldo Oliveira.

Para 2018, a Fundação Palmares já planeja ampliar o número de municípios atendidos. A medida está de acordo com a Lei nº 9394/96 (com a redação dada pelas Leis nº 10.639/2003 e nº 11.645/2008), que estabelece a obrigatoriedade do ensino de história e cultura afro-brasileira, africana e indígena.

 

Municípios contemplados

O projeto piloto contempla estados das cinco regiões do país, assim distribuídos:

  • Nordeste: Bahia (Salvador e Santo Amaro da Purificação), Alagoas (Maceió e União dos Palmares) e Paraíba (Campina Grande e João Pessoa)
  • Norte: Amapá (Macapá)
  • Sudeste: Rio de Janeiro (São Gonçalo, a confirmar; e Paraty), Minas Gerais (Belo Horizonte e Ouro Preto) e Espírito Santo (Vila Velha e Cariacica)
  • Sul: Rio Grande do Sul (Porto Alegre e Pelotas) e Santa Catarina (Florianópolis)
  • Centro Oeste: Mato Grosso do Sul (Campo Grande)

 

Serviço

Assessoria de imprensa da Fundação Palmares: (61) 3424-0164

 

Marcelo Araújo
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

 

 

Extraído do site institucional da Fundação Palmares / Brasília – DF
http://www.cultura.gov.br/noticias-destaques/-/asset_publisher/OiKX3xlR9iTn/content/id/1429629 

 

 

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Ilé Asé Omin Oiyn, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Hoje, é editor do Jornal Awùre. Diretor Financeiro da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. Colabora com a assessoria de comunicação do PPLE - Partido Popular da Liberdade de Expressão Afro-Brasileira. É sócio diretor na agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *