Breaking News

Projeto quer combater o racismo a intolerência religiosa

Ação tem profissionais de direito, serviço social e psicologia

28/05/2015 – 20:26

 

Martha Sales e Sônia Oliveira elaboraram projeto Oxê (Fotos: Portal Infonet)
Martha Sales e Sônia Oliveira elaboraram projeto Oxê (Fotos: Portal Infonet)

Foi apresentado na noite desta quinta-feira, 28, na sede da OAB, o projeto “Oxê: Educação, Justiça, e Cidadania” idealizado pela Sociedade de Estudos Étnicos, Políticos, Sociais e Culturais Omolàiyé. O projeto pretende formar um grupo de profissionais do direito, do serviço social e da psicologia para o enfretamento do racismo, intolerância e discriminação religiosa em Sergipe.

De acordo com os organizadores, os primeiros passos do projeto é o desenvolvimento de uma cartilha informativa instruindo sobre o procedimento em caso de discriminação étnico-racial e religiosa, e sobre as leis que punem essas práticas, um áudio-visual do curso de formação e um espaço virtual para atendimento, denúncias, informações e interação com pessoas sujeitas ou já vítimas de alguma discriminação, seja ela racial, de intolerância ou religiosa.

Selma Santos é membro de grupo em defesa as mulheres negras
Selma Santos é membro de grupo em defesa as mulheres negras

“Utilizaremos um canal moderno de comunicação que é a internet, vamos conversar com as vítimas, encaminhá-las, e fazer com que elas se encorajem a fazer a denúncia porque caracterizamos que o preconceito, racismo e intolerância religiosa só são combatidos com a lei. Vamos abrir espaço para os religiosos e povo de terreiro também” afirma Sônia Oliveira da sociedade Omalàiyé.

Selma Santos faz parte do grupo Auto-organização de Mulheres Negras de Sergipe Rejane Maria e participou da apresentação do projeto Oxê. “É uma frente de combate muito boa e que vai ajudar muito as pessoas que passam por essa questão de preconceito e ficam sem saber a quem recorrer ou como superar esse processo, porque a pessoa que sofrem preconceito ficam sozinhas e com esse projeto você tem o suporte dos três eixos, serviço social, direito e psicologia, que vão lhe encaminhar para saber seus direitos e tomar providência acerca daquilo que ocorreu com você”, elogia.

Cartaz missão do Omolàiyé
Cartaz missão do Omolàiyé

Ela diz que as mulheres negras também serão privilegiadas com o projeto, pois estão constantemente sofrendo preconceitos. “Quando você passa por um ato de preconceito, você fica mal, eu mesmo já passei, chorei muito e demorei pra superar. Dói muito você ser discriminada só porque tem um cabelo black e sua pele é negra”, lamenta.

Martha Sales e Sônia Oliveira são sacerdotes do Candomblé e participaram da elaboração do projeto. Elas dizem que a iniciativa é uma importante frente de combate ao preconceito, mas não deixa de ser um grande desafio em busca da equidade social. “O estado é laico, mas  ele não consegue respeitar o processo de religião de matriz africana. Nós estamos trabalhando com um público em sua maioria negra e vamos unir esforços para combater o racismo”, concretiza.

Por Ícaro Novaes e Verlane Estácio

 

Extraído do site Infonet
http://www.infonet.com.br/cultura/ler.asp?id=173211

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *