Breaking News

Prorrogadas inscrições de premio sobre patrimônio cultural negro

sexta-feira, 20 / junho / 2014 by Ascom

 

foto_banner-site-iphan1

 

Estão abertas até o dia 19 de julho, as inscrições para o Prêmio Patrimônio Cultural dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). De acordo com o edital, o prêmio vai distribuir R$ 1 milhão, sendo dez prêmios no valor de R$ 40 mil e 25, no valor de R$ 24 mil à iniciativas que valorizem o patrimônio desses povos.

A proposta é reconhecer ações de preservação, valorização e documentação relacionados as comunidades de matriz africana. As iniciativas serão avaliadas conforme sua originalidade, excepcionalidade ou caráter exemplar, que mereçam divulgação e reconhecimento público.

De acordo com Alexandro Reis, diretor do Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro da Fundação Cultural Palmares (DPA/FCP), a iniciativa está na linha de esforços do Governo Federal para a promoção de políticas públicas pelo desenvolvimento sustentável dessas comunidades. “Para que esse esforço apresente resultados e se efetive nos governos estaduais e municipais, é necessário que as associações, grupos e lideranças representativas desses povos participem dos editais e fiscalizem a execução das ações pactuadas”, enfatiza.

Phelipe Cunha Paz, do Grupo de Trabalho Interdepartamental para Preservação do Patrimônio Cultural dos Povos de Terreiro do IPHAN, explica que este é o primeiro edital da instituição direcionado aos povos de terreiro e destaca que a ideia é alcançar o maior número possível de comunidades em cada região do país. “Uma oportunidade que valoriza a diversidade da matriz africana: candomblé, jurema, umbanda, entre outros”, diz.

Ele reforça ainda, que é mais um entre outros esforços do Instituto que visa a preservação do patrimônio. “É uma forma de reconhecimento ao que já vem sendo feito, mantendo vivas as tradições que constroem a identidade dessas pessoas”, afirma.

Como concorrer – As inscrições devem ser feitas na ficha disponível no site do Instituto (www.iphan.gov.br). O processo seletivo será dividido em duas etapas. A primeira, de habilitação, será conduzida por uma Comissão Técnica composta por técnicos do IPHAN. A segunda fase, de avaliação, será conduzida por uma Comissão de Seleção, composta por técnicos do IPHAN, representante da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (SEPPIR/PR) e representantes da sociedade civil.

No ato da inscrição, os participantes deverão escolher entre duas categorias e linhas de ação específicas em cada uma delas. Na Categoria 1 serão oferecidos dez prêmios de R$ 40 mil para ações realizadas de preservação do Patrimônio Cultural Tombado pelo IPHAN ou em Processo de Tombamento pelo IPHAN, que tenham sido desenvolvidas pelas associações representativas dos povos e comunidades tradicionais de matriz africana.

Outros 25 prêmios de R$ 25 mil serão destinados à Categoria 2, premiando ações de preservação do Patrimônio Cultural que tenham sido desenvolvidas pelas associações representativas dos povos e comunidades tradicionais de matriz africana sediados em qualquer parte do território nacional.

Homologação – A documentação comprobatória da ação e seus anexos deverão ser enviadas pelo serviço de Correios aos cuidados do Departamento do Patrimônio Imaterial do IPHAN. O endereço é SEPS 713/913, 4º andar, CEP 70.390- 135, Brasília – DF. Poderão concorrer pessoas jurídicas de direito privado sem fins lucrativos que sejam representantes dos Povos e Comunidades tradicionais de matriz africana, conforme especificado no Edital.

Outras informações podem ser adquiridas pelo fone (61) 2024-5434.

 

 

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *