Breaking News

Restaurantes homenageiam Zumbi dos Palmares com pratos da culinária afro-brasileira

Restaurantes cariocas oferecem menu diferenciado dia 20 de novembro

 

Jornal do Brasil

17/11 às 11h47 – Atualizada em 17/11 às 12h00

 

Em 20 de novembro é comemorado o Dia da Consciência Negra, data criada para celebrar a luta e conquista da liberdade desse importante grupo étnico que faz parte do DNA brasileiro. A mistura entre os escravos africanos e o povo brasileiro da época resultou em nossa cultura atual: deliciosa, rica e intensa. Assim também são os sabores criados a partir da mistura afro-brasileira nas panelas. Uma das versões para a criação da Feijoada, ícone da gastronomia nacional, conta que ela foi criada nas senzalas e era um dos alimentos dos escravos da época colonial.

Terra Brasilis: Feijoada é um ícone da gastronomia nacional, e contam que foi criada nas senzalas e era um dos alimentos dos escravos da época colonial
Terra Brasilis: Feijoada é um ícone da gastronomia nacional, e contam que foi criada nas senzalas e era um dos alimentos dos escravos da época colonial

O prato é um dos sucessos do buffet à quilo (R$49,90 dias de semana e R$55,90 fins de semana e feriados) do Terra Brasilis, debruçado sobre o mar da praia Vermelha, na Urca. Servida às sextas e sábado, a Feijoada é preparada de forma tradicional. O cardápio à la carte da casa também é recheado de referências da culinária africana. As moquecas são um bom exemplo, servidas em três opções: Moqueca de peixe com arroz branco e pirão ou farofa (R$ 125), Moqueca de camarão com arroz branco e pirão ou farofa (R$ 125) e Moqueca de bacalhau com arroz de castanha e farofa de banana da terra (R$ 137).  Boa pedida também é o Bobó de camarão (R$ 125), servido com arroz branco e farofa de dendê. Estes pratos são preparados com o azeite-de-dendê, extraído de uma palmeira africana trazida ao Brasil em tempos coloniais, que se tornou muito popular na culinária nacional, em especial na Bahia.

No gastrobar Uh Lalá, antigo bistrô La Cigale, no Leblon, o mix de sabores afro-brasileiro chega à mesa em versão gourmet, com o Cuscuz de tapioca brulée, receita tradicional com toque da casa, servido com calda de maracujá (R$ 9). Outras opções são o Bobó de camarão, preparado com azeite de dendê e abóbora, servido no buffet do almoço (R$ 99,80 o quilo) e as Moquecas, servidas nos sabores lula, polvo, camarão e siri (R$ 88 cada, para duas pessoas), servidas com arroz de coco. No tradicional Adega do Cesare, que soma 50 anos no Posto 6, em Copacabana, servindo grandes clássicos da culinária em fartas porções, a aposta é a Moqueca de peixe à baiana (R$ 85).

A Feijoada também é um dos destaques da cozinha do Halteres Gourmet, na Barra. O prato é servido todas as sextas-feiras no buffet à quilo do almoço (R$ 55,90, o quilo). Outras opções que serão servidas no dia 20, em comemoração a data, utilizando ingredientes típicos africanos: Escondidinho de carne seca, Carne seca com aipim noisette e Moqueca de peixe com camarão, preparada com azeite de dendê.

 

Extraído da versão on line do Jornal do Brasil / Rio de Janeiro – RJ
http://www.jb.com.br/rio/noticias/2015/11/17/restaurantes-homenageiam-zumbi-dos-palmares-com-pratos-da-culinaria-afro-brasileira/?from_rss=None

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *