Breaking News

RJTV ouve esotéricos com previsões para 2016

Astróloga acredita que o ano não será fácil; palavra-chave será ‘desafio’.
Receita para 2016 é ousadia, criatividade e inovação, dizem esotéricos.

Do G1 Rio | 30/12/2015 22h52 – Atualizado em 30/12/2015 22h52

 

4708692

http://s.videos.globo.com/p2/j/api.min.js

Para quem acredita em previsões, o RJTV mostrou nesta quarta-feira (30) os recados que o futuro revela para o ano que vem. Para a astróloga Leiloca, não vai ser um ano fácil e a palavra que define o ano que está chegando é “desafio”.

A previsão dos búzios diz que 2016 é o ano para “usarmos a sabedoria de oxalá, porque apesar da crise oxalá chega para nos dar esse axé, para vencermos isso tudo”, explicou o pai de santo.

Para quem busca as respostas no céu, os sinais não são dos melhores. A posição de alguns planetas em 2016 vai complicar a vida aqui na terra.

“A gente tem uma quadratura de Urano com Plutão de 2011 a 2017, que está fazendo toda essa loucura no planeta Terra. A intolerância em todos os segmentos. Então, o que a gente tem que fazer? O contrário: ter tolerância. Esse é o foco pra passar de uma forma melhor”, explicou a astróloga Leiloca.

Para o candomblé, o novo ano conta com a influência de Oxalá, que representa a sabedoria e de Iyemanjá, símbolo da família.

Mas os astros, os búzios e o tarô têm uma mensagem  em comum para o ano que começa. A receita para enfrentar 2016 é a mesma: ousadia, criatividade e inovação. Vale o velho ditado de que “é na dificuldade que surgem as oportunidades”.

 

Extraído do portal de notícias G1 / Rio de Janeiro – RJ
http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/12/rjtv-ouve-esotericos-com-previsoes-para-2016.html

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *