Breaking News

Roupa, Imaginário e Afeto: A Aparência da Boa Morte

Pensando Moda

Renata Pitombo

Sáb , 19/08/2017 às 14:53 | Atualizado em: 19/08/2017 às 14:58

 

Renata Pitombo Cidreira

 


As integrantes da Irmandade da Boa Morte estão associadas ao candombléReprodução

No último dia 15 de agosto, data em que se celebra a Assunção de Maria, nos festejos da Irmandade da Boa Morte, tivemos a oportunidade de, mais uma vez, apreciar a procissão pelas ruas da cidade heroica de Cachoeira, bem como assistir a missa na Igreja da Matriz. Um dos pontos altos da festividade que inicia seu calendário no dia 13 e se estende até o dia 16 de agosto, o dia 15 é reverenciado pelas irmãs, pela comunidade local e pelos turistas que colorem as ruas da cidade.

Emblemática pela dimensão religiosa que agrega, a Irmandade da Boa Morte, incorpora de forma plena e apaziguadora o respeito ao catolicismo e o culto ao candomblé, num exercício dinâmico de sincretismo. O culto mariano da Boa Morte, resquício dos arquétipos tecidos pelos jesuítas e vivenciados pela devoção portuguesa, ao migrar para Cachoeira, vai modificando-se, aos poucos, uma vez que as integrantes da Irmandade estão associadas ao culto do candomblé, sendo muitas delas Mães-de-Santo.

Além disso, é um marco de resistência que aponta para dois âmbitos importantes: a força da mulher e o orgulho da raça negra. Imersos neste cenário, gostaríamos de chamar a atenção para a dimensão imaginária e afetiva das vestimentas e do ato de vestir presentes na Irmandade da Boa Morte, uma vez que compreendemos que as evocações as esferas do sagrado, e as resistências de gênero e raça são também reforçadas pelas vestes usadas pela Boa Morte. A roupa, compreendida na sua dimensão simbólica e imaginária, é um elemento importante na constituição cultural; reforça mitos e signos, reestrutura valores e tradições.

As roupas guardam algo de cada um de nós, pois como diria Stallybrass “[…] a mágica da roupa está no fato de que ela nos recebe: recebe nosso cheiro, nosso suor; recebe até mesmo nossa forma”, ao que acrescenta: “As roupas recebem a marca humana” E esse acolhimento faz com que elas tenham a capacidade de presentificar uma ausência, daí sua dimensão imaginária e afetiva. E também a sua relação com a memória.

Foto: Renata Pitombo | Divulgação

É nesse sentido que as vestes da Boa Morte presentificam tradições, costumes e valores, bem como atualizam os mesmos, na medida em que também elas são ressignificadas, reformuladas…

Pelas ruas cachoeiranas transitam essas mulheres paramentadas com suas vestes e adereços, as quais vão constituir espaços de identificação e pertencimento, numa relação fecunda entre a roupa e o corpo e a teatralização corporal. Assim, podemos observar a relação afetiva que as irmãs estabelecem com as vestimentas, destacando os sentidos expressos por cada veste e como o sincretismo religioso e os marcos identificatórios se costuram entre a combinatória das peças de roupas.

No dia 15, a Assunção de Maria, como já mencionamos, as irmãs usam a roupa de gala, composta de uma bata (camisu ou camisa de rapariga, sendo o tecido de richelieu branco, antes trazido da França pelos portugueses) e saia plissada preta, simbolizando a postura social das escravas alforriadas em relação às comuns. Há de se ressaltar que essa vestimenta foi introduzida na Irmandade, pois esta já fazia parte da cultura africana no país.

Neste dia também é usado um xale (pano-da-costa) característico da Irmandade, sendo dividido em dois lados, um preto de veludo e o outro de vermelho de seda pura. É também permitido às adeptas dessa Irmandade o uso de joias. Como observa Marques, as mulheres usam “muitos colares, guias, balangandãs, pulseiras e anéis prateados e dourados”, ao que acrescenta: “(…) o ouro representa a riqueza e a beleza, o vermelho do pano da costa, antes preto, um sinal do sangue (menstrual também), na vida (viva) em Oxum/Yemanjá”.

Para além da dimensão simbólica, a indumentária da Boa Morte resgata uma dimensão valorativa do eu, enquanto sujeito que luta por liberdades, dentre as quais a de culto, de crença e de pertencimento que são aspectos fundamentais à constituição dos indivíduos. Nesse sentido, a visualidade dos corpos-vestidos das irmãs, nos faz partilhar um momento singular, em que se exalta a própria existência e em que sentimos o vigor da tradição e a força das expectativas, no campo do presente. Memória, imaginação e afeto nos atingem no espetáculo visual que toma conta das ruas de Cachoeira.

Assim é a Irmandade: rica, complexa, sincrética. Uma tessitura repleta de tramas, imaginação e afetos. Potência aberta e indefinida de sentidos.

Renata Pitombo Cidreira é professora da UFRB, jornalista e pesquisadora de moda. Autora de Os sentidos da moda (2005), A sagração da aparência (2011) e As formas da moda (2013), entre outros.

 

Extraído da coluna Pensando Moda, do Jornal A Tarde / Salvador – BA
http://atarde.uol.com.br/pensandomoda/noticias/1887514-roupa-imaginario-e-afeto-a-aparencia-da-boa-morte-premium

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *