Breaking News

SALVADOR Representantes de religiões de matriz africana reivindicam direitos em encontro na Governadoria

 

Grupo quer chamar atenção para casos crescentes de intolerância religiosa no estado

Giulia Marquezini (giulia.marquezini@redebahia.com.br)
23/07/2015 15:10:00Atualizado em 23/07/2015 15:32:59   Um grupo de 16 lideranças de religiões de matriz africana pediu uma reunião com o governador Rui Costa, na sede da Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), nesta quinta-feira (23). Na pauta estão presentes ações de combate à intolerância religiosa. "Queremos chamar atenção para os casos de intolerância religiosa na Bahia. As leis já existem, queremos que elas sejam praticadas.  O estado deixou de ser laico? Estamos vivendo um período onde se agride em nome da fé", afirmou o coordenador do Coletivo de Entidades Negras (CEN), Táta Ricardo Tavares. As lideranças foram atendidas por volta das 10h pelo titular da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), Álvaro Gomes, e pela coordenadora de assunto sociais da Secretaria de Relações Institucionais (Serin), Mary Cláudia Sousa, que representaram o governador enquanto ele cumpria agenda em Jaguarari, no norte do estado. De acordo o coordenador do Coletivo de Entidades Negras (CEN), Marcos Rezende, na reunião ficou acertada a criação de um Grupo de Trabalho (GT) com representantes do culto afro, do Gabinete do Governador e da Secretária de Relações Institucionais. Além disso, foi discutido o repasse de verbas asseguradas pelo edital em apoio a empreendimento econômicos solidários e as redes de economia solidária nos espaços culturais de matrizes africanas, publicado em 2014.
Lideranças religiosas se reúnem na frente da Governadoria, no CAB (Foto: Giulia Marquezini)
Lideranças religiosas se reúnem na frente da Governadoria, no CAB
(Foto: Giulia Marquezini)
edital inicialmente era de R$ 10 milhões divididos para 12 entidades que assinaram um convênio. Mas houve um contingenciamento  de R$ 5 milhões no final do ano passado. "Agora 19 entidades devem ser chamadas para assinar convênios em um prazo de 30 a 40 dias, pois a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) e a Setre conseguiram levantar mais R$ 2 milhões e, assim, outras entidades foram contempladas", afirmou Marcos. Para a ialorixá Jaciara dos Santos - filha biológica de Mãe Gilda, a fundadora do terreiro Axé Abassá de Ogum, em Itapuã -  a intolerância religiosa continua se agravando. "As pessoas que estão dentro do governo em portas fechadas não percebem como a violência religiosa incita uma grande confusão. É preciso sinalizar, por isto estamos aqui", pontua. A reunião contou ainda com a presença de diversas lideranças de terreiros da Bahia, além de Rita Santos, coordenadora da Associação Nacional das Baianas de Acarajé (Abam). "O acarajé também sofre intolerância, não queremos perder o título por conta dos chamados "bolinhos de jesus", afirma.   Extraído do site do Jornal Correio * / Salvador – BA http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/representantes-de-religioes-de-matriz-africana-reivindicam-direitos-em-encontro-na-governadoria/?cHash=c91f905e67ab4879cb6b8e9e50e9e45a

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *