Breaking News

Templo umbandista no Cachambi é invadido e tem imagens religiosas destruídas

Polícia vai apurar se houve crime de intolerância religiosa

POR EDUARDO VANINI

 

04/02/2015 12:00 / ATUALIZADO 04/02/2015 12:54

Um dos espaços que teve imagens destruídas no local - Arquivo Pessoal Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/religiao/templo-umbandista-no-cachambi-invadido-tem-imagens-religiosas-destruidas-15240040#ixzz3QnYy57ia  © 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
Um dos espaços que teve imagens destruídas no local – Arquivo Pessoal

 

 

RIO – O templo umbandista “A Caminho da Paz”, situado no Cachambi, Zona Norte do Rio, foi invadido na manhã desta quarta-feira e teve imagens religiosas destruídas. O caso foi registrado na 23ª DP (Méier) como crime de intolerância religiosa.

 

– Os invasores arrombaram a porta e quebraram várias imagens, deixando a casa das almas e a casa de Exu destruídas. Nenhum bem foi roubado – contou a dirigente da casa, Cristina Fernandes.

Segundo Cristina, o templo vinha sofrendo problemas com alguns vizinhos, que agiam com agressões verbais e furavam pneus de carros de membros da congregação. Também já chegaram a soltar um morteiro em direção ao interior do local.

Um caso envolvendo um vizinho já foi levado à Justiça, com uma audiência realizada na semana passada, na tentativa de estabelecer um entediamento entre as partes.

– Temos outras seis unidades e nunca havíamos chegado a esse nível. Não temos ideia de quem são os autores, mas ficamos muito preocupados e tristes pela falta de respeito com a nossa casa e religião. A gente percebe que foi um ato de maldade, e isso dói mais ainda – desabafou Cristina.

 

4 (1)

A casa possui um circuito de câmeras interno, mas o sistema estava desligado há uma semana para manutenção. Entretanto, segundo Cristina, a polícia disse que vai buscar auxílio em imagens de câmeras de prédios vizinhos e depoimentos de testemunhas para chegar aos autores.

Conforme já mostrado em reportagem publicada pelo GLOBO, levantamentos mostraram como a perseguição contra religiões de matriz africana no Brasil tem sido recorrente.

De acordo com informações da assessoria de imprensa da Polícai Civil, foi realizada perícia no local e testemunhas estão sendo ouvidas. As investigações estão em andamento para identificar a autoria.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/religiao/templo-umbandista-no-cachambi-invadido-tem-imagens-religiosas-destruidas-15240040#ixzz3QnUxPMh1 
© 1996 – 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

 

Extraído do portal de notícias Globo on line
http://oglobo.globo.com/sociedade/religiao/templo-umbandista-no-cachambi-invadido-tem-imagens-religiosas-destruidas-15240040

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *