Breaking News

Terreiro de candomblé é reinaugurado em Brasília

porPublicado: 07/10/2016 16h50Última modificação: 07/10/2016 17h10

 

1d31be10-3532-4731-bdd7-9d17d5fcb906Na noite de quarta-feira (05/10), no Paranoá em Brasília, o terreiro de candomblé Ylê Axé Oyá Bagan realizou um ato solene de reinauguração da comunidade de matriz africana após o incêndio ocorrido em 27 de novembro de 2015.  Compôs a programação uma contagiante apresentação do grupo de percussão Filhas de Oyá, discursos de autoridades e o descerramento da placa de inauguração. A noite prosseguiu em confraternização ao som de batucadas em homenagem ao terreiro Ylê e exaltando a Oyá. A Secretária Especial de Políticas de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luislinda Valois, esteve entre os convidados.

Os presentes puderam provar além do acarajé, do vatapá e do caruru preparado pelas filhas de santo, o Xinxim de Galinha – prato da cultura afro-brasileira que leva amendoim, frango, camarão, gengibre e outros temperos.

Mãe Baiana, Iyalorixá do terreiro Ylê Axé Oyá Bagan, iniciou a solenidade convidando todos os babalorixás e as iyalorixás presentes a baterem um Paó, ato de agradecimento segundo a tradição candomblecista, à ancestralidade. Em seguida relembrou o ocorrido no ano passado, quando o seu terreiro foi destruído por um incêndio que consumiu os santos, ferramentas e os barracões. Refletiu sobre a necessidade de uma segunda abolição, visto que a liberdade religiosa dos povos tradicionais ainda é sistematicamente comprometida. Enfatizou que a reinauguração é antes de tudo uma declaração simbólica de resistência e luta, onde os frequentadores do terreiro buscaram forças em seus orixás para perseverarem para reerguer o local e retomarem seus ritos religiosos que foram interrompidos naquele espaço.

A Iyalorixá encerrou a noite mandando uma mensagem para outros povos de terreiro e qualquer outro segmento religioso que também esteja passando perseguição: Gente chegou a hora da gente rezar, chamar pelos nossos orixás, chamar por Deus, por Jesus. Chamar cada um segundo seu segmento de fé e juntos começarmos a combater a intolerância dentro da nossa casa, dentro das escolas, na rua, na parada de ônibus. Começar a combater, não apoiar qualquer tipo de discriminação. Quando alguém é confrontado por seus gestos e ações de intolerância esse alguém tem a oportunidade de rever sua forma de pensar porque ele fica constrangido. E é esse tipo de confronto, de combate que precisamos buscar. Não usando a violência, mas com a bandeira da cultura paz, que é mais lógica e traz mais segurança para todos.

Informações da Fundação Cultural Palmares

 

Extraído do site da SEPPIR – Secretaria de Políticas da Promoção de Igualdade Racial / Brasília – DF
http://www.seppir.gov.br/central-de-conteudos/noticias/2016/10-outubro/terreiro-de-candomble-e-reinaugurado-em-brasilia