Breaking News

Vândalos ateiam fogo e destroem estátua de Iemanjá

A estátua de Iemanjá, localizada na avenida Marechal Castelo Branco, no bairro Ilhotas, foi mais uma vez depredada. O ‘orixá’ foi alvo de pedradas e  no local há indícios de que vândalos ainda atearam fogo nos destroços da imagem. Umbandistas acreditam que o ato se trata de intolerância religiosa e lamentaram o episódio.

“Não é a primeira vez que esse tipo de vandalismo acontece com a imagem de Iemanjá. Isso já aconteceu várias vezes, da última vez eu paguei R$ 620 para recuperar a imagem”, lamentou Mãe Eufrasina.

A umbandista informou ainda que a estátua é feita com uma estrutura de ferro e concreto, portanto é bastante resistente. “Só não quebraram ainda porque ela não é gesso, mas estragaram a pintura e foi preciso fazer os reparos”, completou.

Sobre a motivação para o ato de vandalismo, Mãe Eufrasina, afirma que pode se tratar de um ato de intolerância religiosa e reprovou a atitude. “É uma imagem que esta lá sem fazer nada pra ninguém. Nos dias de hoje uma atitude dessa é lamentável. Vivemos em um estado laico onde as pessoas não tem que aceitar nossa religião, mas são obrigadas a respeitar”, pontuou.

Em nome de toda a comunidade da umbanda em Teresina, Mãe Eufrasina, informou ao Cidadeverde.com, que eles irão se organizar para restaurar novamente a estátua. “Não vamos baixar a cabeça e não vamos desistir. Vamos tentar colocar uma proteção em volta dela. E se for preciso a gente arruma de novo”, finalizou.

 

Lucas Marreiros (especial para o cidadeverde.com)
redacao@cidadeverde.com

 

 

Extraído do site do Jornal Cidade Verde

http://cidadeverde.com/vandalos-ateiam-fogo-e-destroem-estatua-de-iemanja-174390

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *