Breaking News

Vereadores criticam Praça dos Orixás e Firmino Filho reage

07/11/17, 11:37

 

Praça dos Orixás (foto: Renato Bezerra)

A Praça dos Orixás no Lagoas do Norte gerou polêmica na Câmara dos Vereadores de Teresina, na manhã desta terça-feira (07). Em seu pronunciamento, o vereador Edilberto Borges, o Dudu (PT), disse que o Estado é laico e, por isso, “deve-se defender a laicidade em todos os meios”. A inauguração da praça será na próxima quinta-feira (09), às 18 horas, em homenagem às religiões de matrizes africanas. 

“O que está acontecendo é sério porque isso pode se tornar uma coisa grave. Eu não sou contra a Praça dos Orixás, respeito todas as religiões, mas eu não sou a favor de que o dinheiro público seja direcionado para um segmento. O que eu discute com os pastores, que me chamaram para esse debate, é de que eles estão reivindicando por justiça um espaço no Lagoas do Norte para cultuarem a bíblia, que norteia a humanidade”.   

Dudu chegou a comparar a praça em homenagem aos Orixás ao Futebol. Ele citou que é o mesmo de homenagear apenas um time, como o Flamengo, e não o esporte em geral. 

Em discordância ao pronunciamento do Dudu e de outros vereadores, o vereador Venâncio Cardoso (PP), destacou que a Praça dos Orixás é um posicionamento contra a intolerância religiosa.  

Venâncio reforçou que “enquanto se critica a Praça dos Orixás, diversos terreiros são invadidos e depredados em Teresina. É um absurdo tratar de uma forma tão simplista, a questão da intolerância religiosa”, disse o vereador, citando que muitas ruas cidade levam o nome de santos e muitas são as homenagens às igrejas católicas e evangélicas. 

Vereador Venâncio Cardoso

Prefeito reage

Em entrevista ao Cidadeverde.com, o prefeito Firmino Filho (PSDB) informou que Teresina possui mais de 480 terreiros, que, historicamente, o povo de terreiros foi esquecido e sofre, até hoje, com a discriminação. O Piauí possui mais de 1.500 terreiros. 

“A maioria dos terreiros da cidade estão localizados na zona norte e, nada mais justo, que o projeto Lagoas do Norte conceda um espaço para que a sua comunidade se reúna e realize suas festas e encontros. Não há privilégio, a praça é um meio de igualar em visibilidade dessas religiões. A Prefeitura sempre apoiou todas as religiões, mantendo o conceito de estado laico. Com a Praça dos Orixás, buscamos resgatar uma dívida com os povos de terreiro”, disse o prefeito Firmino Filho. 

Ele lembra que o Parque Lagoas do Norte é um espaço aberto para todas as religiões. “O Parque é para toda comunidade, independente da religião. Lá, são realizados cultos evangélicos, missas. Isso mostra que o Lagoas do Norte e toda a Prefeitura de Teresina abraçam todas as manifestações religiosas”, finaliza.

A construção da praça foi discutida com a sociedade e a comunidade local; uma seleção de artista plástico para a confecção de esculturas chegou a ser realizada. O projeto Lagoas do Norte é multisetorial e passou por estudos sobre diversos aspectos, incluindo a questão da religião predominante na região. 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

 

 

Extraído do site de notícias Cidade Verde / Teresina – PI
https://cidadeverde.com/noticias/259711/vereadores-criticam-praca-dos-orixas-e-firmino-filho-reage

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *