Breaking News

Vodum Sorroquê (Xoroquê) – de Odé Kileuy e Vera de Oxaguiã

 ogun soroque

 

Código: 2383
Edição: 1
Páginas: 136
ISBN: 978-85-347-0487-8
Idioma: Português
Formato: 14,0×21,0cm
R$ 26,00

 

Sòhòkwe (pronuncia-se Sorroquê, como se houvesse trema na sílaba final) é aqui situado no candomblé fon (jeje). Pelo idioma fon, alguns autores traduzem o fonema sòhò, com o significado de guardião, e kwe como casa, moradia.

Mas é com o nome de Xoroquê que mais conhecemos essa divindade. Será a mesma cultuada entre iorubás, fons e alguns outros segmentos religiosos? Será que os sacerdotes compartilham da mesma definição de arquétipos? É um vodum ou orixá? Como devemos cultuá-lo, afinal? Foi por meio da tradição oral que a cultura dos nossos ancestrais africanos chegou até nós.

Práticas de distintos rituais de regulação da vida e um grande patrimônio de histórias míticas fundadoras de diversas sociedades, por exemplo, atravessaram o atlântico dentro dos insalubres navios que transportavam os negros escravizados. Muitos foram os que não sobreviveram a travessia entre os continentes. Mas a memória, preservada pela voz, chegou até nossas terras e conquistou espaço entre os que aqui habitavam.

No entanto, a palavra, por ser imaterial, se mistura, se integra e se transforma. E foi justamente isso que aconteceu quando pessoas de variadas regiões e nações africanas foram obrigadas a conviver juntas dentro das senzalas: o divino também sofreu as mudanças de seu povo. Entre elas, está o tema deste livro. O segredo e o silêncio como estratégia de preservação e defesa frente as ameaças são, paradoxalmente, a base das religiões afro-brasileiras surgidas pela fala.

Entretanto, saber a diferença entre ignorância e o que não pode ser dito fora do culto, é papel de guardiões de nossa matriz, estes que dedicam a vida a se aprofundar sobre todos os detalhes que constroem e solidifi cam, cada vez mais, esta tradição em nossas raízes. Basta ver o sucesso dos outros livros publicados por Vera de Oxaguiã e Odé Kileuy para termos certeza que eles representam bem esse papel. E é também no papel que registram o conhecimento adquirido. Este que agora está em suas mãos, caro leitor. Aproveite!

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *